Uma Escola Voltada para a Sustentabilidade

Prof. Aurélio José de Araujo, Diretor da Unidade Cascadura

Com o nosso projeto pedagógico voltado para a sustentabilidade, tivemos a preocupação de estabelecer metas tangíveis e objetivas a serem superadas.

É uma proposta que tem início, mas não tem fim, o tema não se esgota por si só, pois ao término de cada etapa desenvolvida, outras surgirão de maneira que essa continuidade se faz necessária. Neste caso, todos os nossos esforços deverão estar voltados para o Aprender a Cuidar...

Aprender a Cuidar do ambiente; da família; da religião; da sexualidade; da amizade; do consumo desenfreado; da escola e do mundo em que vivemos.

Na verdade, de modo geral, nós não fomos educados para a Sustentabilidade, pois muitas de nossas ações são mecanicistas sem a reflexão necessária das suas conseqüências e/ou individualista.

Temos que ser mais reflexivos e solidários na nossa caminhada.

Temos que aprender a cuidar do ambiente, tão degradado; tão desrespeitado, onde usufruímos sem a preocupação de repor e preservar. Dentro de nossos limites de atuação, devemos buscar ações efetivas que possam refletir numa melhor qualidade de vida das pessoas e do planeta.

Temos que aprender a cuidar da família, que é a primeira instituição com a qual a pessoa convive e constrói seus valores e sua identidade, pois os seus membros têm de ser exemplos de vida. Sabemos que, em muitos casos, as famílias estão estruturadas de forma diferenciada do modelo patriarcal tradicional, o que não impede de continuar exercendo o principal papel na educação dos filhos. Acreditamos que atos aparentemente simples como reservar um tempo para o diálogo, para praticarmos a arte de "ouvir" e ser "ouvido"; resgatar as reuniões como a pizza do sábado à noite; o almoço e o passeio dominical; criar o hábito da leitura em grupo voltada para o lazer e para "alimentar o espírito" e acima de tudo reaprender a receber e acolher o outro do jeito que ele é, pois cada um é único, e é na simplicidade e na aceitação que percebemos a riqueza que o outro possui e tem para compartilhar conosco.

Temos que aprender a cuidar da nossa religiosidade, da nossa fé. Ela é que nos fortalece, a fim de superar os obstáculos e conflitos das relações que a vida nos impõe a cada momento.

Temos que cuidar da sexualidade dos nossos jovens, que em muitos casos estão com informações desencontradas ou distorcidas, com a sexualidade cada vez mais precoce onde o "ficar" acaba substituindo o construir e vivenciar uma relação de afetividade. Segundo a O.M.S. a sexualidade "é uma energia que nos motiva a encontrar a comunicação, a afetividade, o contato, a intimidade e o prazer, ela se expressa na forma de sentir, nos movimentos das pessoas e como estas se tocam e são tocadas. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, portanto, nossa saúde física e mental". Não podemos permitir a banalização de algo que é fundamental para a nossa existência como indivíduo.

Temos que cuidar da amizade, que é fonte de energia e cumplicidade na relação com o outro; valorizar o fortalecimento desses laços, principalmente com os nossos pais, irmão e com todos aqueles que nos querem bem. Na amizade fortalecemos o sentimento de compartilhar o que temos e principalmente o que somos sem nos preocuparmos no reconhecimento, pois quem pratica uma ação em busca do reconhecimento não faz nada para ninguém e nem para si mesmo.

Temos que cuidar do consumo desenfreado, fonte de grandes conflitos num mundo altamente competitivo. Ter força de vontade para evitar o uso e o abuso em todas as práticas. Temos a responsabilidade de ensinar aos nossos filhos a importância de controlar as nossas vontades seja na alimentação excessiva, no uso de ferramentas de comunicação como celulares; MSN; Orkut e outros; do desejo de compra de bens materiais acima da necessidade, etc.

Temos que cuidar da nossa escola, espaço para aprender a lidar com as diferenças, para colocar em prática os valores apreendidos com a família; para transformar informações em aprendizagem que tenham significado para a sua existência; espaço para manter acesa a chama da esperança de ser um contribuinte com ações para um mundo melhor.

Temos certeza de que a ação de cada um de nós como agentes transformadores terá grande impacto na nossa sociedade. Sei que não podemos evitar os conflitos, impasses, dúvidas, inseguranças que nos acometem freqüentemente, mas ser derrotado por eles é uma opção nossa.

Temos que acreditar nisso!!!!!

Artigo original em www.santamonicace.com.br
Acesso em: 04 de julho de 2009, 13:06

(\\\)))