Um Exemplo para o Mundo

Independentemente da sua posição política ou da visão que você possa ter do comunismo de Cuba, esse texto é apenas uma sequência de fatos que nos mostram que o consumo é altamente perverso para o planeta. Se você ler o texto sem julgamentos e apenas analisando um modo de viver em sociedade, verá que a sustentabilidade está muito mais perto de Cuba do que no resto do mundo. Não queremos aqui deixar nenhum juízo de valor sobre o comunismo.

Leia, reflita e deixe seu comentário!

O relato foi publicado por John Bachtell, People's Weekly World Newspaper, 09/03/09. (a tradução é minha, feita de forma livre.)

Durante recente visita a Cuba, paramos por uma cooperativa agrícola na periferia de Havana. Seus agricultores e as cooperativas de todo o país fazem parte do que é amplamente reconhecido como o maior experimento do mundo da agricultura biológica. Centenas de milhares de agricultores orgulhosamente se proclamam parte do movimento de Cuba "ambiental".

Em 2008, Cuba foi devastada por três grandes furacões que causaram cerca de US$10 bilhões em danos, incluindo 400.000 casas destruídas e danos à agricultura. Os cubanos culpam, provavelmente de maneira certa, o crescente poder destrutivo e frequência dos furacões à mudança climática global. Compreensivelmente, a consciência ambiental ea necessidade de medidas radicais para reduzir o aquecimento global estão em alta.

Notavelmente, em 2006, o World Wildlife Federation avaliou Cuba como o único país que combina elevados padrões de desenvolvimento humano, tendo como parâmetros a alfabetização, os índices de saúde e a baixa "pegada ecológica", onde se avalia a quantidade de dióxido de carbono emitido por habitante.

Fica a pergunta: como pode um país subdesenvolvido com tão poucos recursos económicos têm um desempenho ambiental melhor do que seu vizinho ricos? A história dá uma grande esperança de que o planeta Terra pode ser salvo.

O esforço para reverter a destruição ambiental e seguir um caminho de desenvolvimento sustentável é ainda mais notável considerando a história de Cuba, o bloqueio econômico imposto pelos EUA e os contínuos esforços para derrubar seu governo.

Assim como na maioria dos países, a história é marcada por inúmeras agressões ao meio ambiente na busca de se obter crescimento econômico em nível internacional e não foram poucas as degradações que a ilha sofreu. Mas o que mudou na Ilha?

Quando a Revolução Cubana ocorreu em 1959, a proteção ambiental se tornou uma prioridade, pois líderes revolucionários já eram ecologicamente comprometidos. A primeira Reforma Agrária, em 1959, nacionalizou o latifúndio e continha uma cláusula sobre "A conservação das florestas e solos", deixando de lado grandes reservas de alguns dos maiores tesouros naturais de Cuba.

Nos anos subseqüentes a legislação ambiental foi aprovada e consagrada na Constituição, embora a legislação tenha sido bastante descumprida. A educação ajudou a criar um senso de responsabilidade ambiental, que tinham como maiores entusiastas professores e estudantes.

Os cubanos cometeram erros graves durante os anos sob a imensa pressão do desenvolvimento econômico e da escassez. Mas eles também aprenderam com seus erros e as políticas. Não é de surpreender que eles começaram a construir o socialismo imitando o modelo soviético, que deu ênfase a industrialização sem levar em conta o impacto ambiental, mas os cubanos logo perceberam o prejuízo resultante desse modelo e adequaram a sua situação ao que era necessário.

Em 1992, sob o impacto do crescente movimento ambientalista mundial, a ECO-92 foi realizada. Castro participou e fez um discurso para  enfrentar o subdesenvolvimento econômico e da pobreza com a sustentabilidade. Ele observou,

"Se queremos salvar a humanidade da destruição de si mesmo, temos que distribuir mais equitativamente as riquezas e tecnologias disponíveis no planeta. Menos luxo em alguns países seria a solução para a redução da pobreza e da fome na Terra. Precisamos parar de influenciar o Terceiro Mundo com esse estilo de vida e hábitos de consumo que arruínam o meio ambiente ".

Com o declínio do socialismo mundial, Cuba se viu obrigada a tomar novos rumos. A mudança mais drástica foi no domínio agrícola. Os cubanos se virou para a agricultura e meios naturais de controle de pragas. OS Agricultores enfaticamente nos disseram que mesmo que o bloqueio acabe eles vão continuar a agricultura biológica porque é melhor para o ambiente, tanto para as condições de trabalho dos agricultores quanto para produzir alimentos mais saudáveis para o povo.

Além disso, os cubanos descentralizaram a produção agrícola e encontraram a responsabilidade local. Mais de um milhão de bicicletas foram importadas da China e cinco fábricas de produção de bicicletas foram construídos. Mais de 500.000 motos foram colocadas em operação em Havana.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (EPA como o nosso) foi criada para supervisionar a política ambiental e sua aplicação.

Em 1993, o Fontes do Programa de Desenvolvimento Energético Nacional foi aprovado, cujo objetivo era de conservação e eficiência energética e para começar a utilizar fontes de energia renováveis.

Como Renewable Energy World Magazine observou,

"Todas as escolas rurais, postos de saúde e centros sociais no país foram eletrificados com energia solar e, hoje, 2.364 dos sistemas de energia solar elétrico na ilha estão em escolas rurais. Fazer luzes, computadores e programas de televisão educativos acessíveis a todas as crianças da escola no país deu a Cuba o prêmio Global 500 das Nações Unidas em 2001. "

A Revolução Energética

No entanto, estas medidas se revelaram insuficientes. Assim, em 2006, Cuba adotou o que foi chamado de Revolução Energética. Essa política consiste em cinco aspectos: conservação, modernização da rede elétrica, maior utilização de recursos renováveis, uma maior exploração do local de gás e petróleo e uma maior cooperação internacional.

Conservação foi considerada o elemento-chave. Castro comentou:

"Não estamos à espera de combustível a cair do céu, porque descobrimos, felizmente, algo muito mais importante - a conservação de energia, que é como encontrar um grande depósito de petróleo".

O programa revelou-se um grande sucesso em parte porque o país inteiro foi mobilizado a participar através de uma campanha de educação de massa. Um exército de jovens trabalhadores sociais é responsável por ir de porta em porta para espalhar as últimas práticas ambientais.

Cuba se tornou o primeiro país a substituir totalmente as lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas. A rede nacional de energia foi modernizada e descentralizada. Centenas de micro sistemas hidrelétricos foram construídas; a agricultura urbana e o uso de hidroponia tem se expandido.

Dois grandes parques eólicos foram construídos no litoral, além de milhares de sistemas que geram energia solar. Reciclagem de resíduos de açúcar é a produção de bio-combustíveis.

Outro resultado importante da ECO-92 foi um convite para preservar a biodiversidade do mundo. Cuba foi um dos primeiros países a abraçar este desafio. Biodiversidade foi visto como uma parte integrante do desenvolvimento sustentável e levou a proteção ambiental à lei. O reflorestamento aumentou para 21% e está crescendo cada vez mais. Florestas e as árvores estão sob proteção rigorosa.

Diferente de quase todos os outros lugares no mundo, Cuba está protegendo suas áreas costeiras, manguezais e recifes de coral. Seu litoral é um dos mais preservados do mundo.

O exemplo de Cuba mostra que uma sociedade voltada para o desenvolvimento socialista, onde os trabalhadores detêm o poder econômico e político, é muito superior ao capitalismo, quando se trata de lidar com a crise ambiental e realmente reverter a destruição ambiental.

Cuba também nos mostra como o socialismo coloca as pessoas em primeiro lugar, como o desenvolvimento econômico e a sustentabilidade podem ser sinônimos, como um país pode aprender com seus erros e ter flexibilidade para lidar com os problemas e as crises que possam surgir. No momento em que a crise econômica mundial, a desigualdade e a pobreza são vastas e intimamente ligadas à crise ambiental e global - o socialismo oferece o único caminho viável para assegurar o futuro da humanidade. 

postado em: 23 de Setembro de 2009 por Flávio Vieira no www.energiaeficiente.com.br
tags: aquecimento global, comunismo, Cuba, Fidel, meio ambiente, países menos poluidores, revolução cubana, sustentabilidade

Acesso em: 24 de setembro de 2009, 19:36

(\\\)))